Fórum Adventista

Não se opor ao erro é aprová-lo, não defender a verdade é suprimi-la !
 
InícioInício  FAQFAQ  BuscarBuscar  MembrosMembros  GruposGrupos  Registrar-seRegistrar-se  Conectar-seConectar-se  

Compartilhe | 
 

 Behe liquida o darwinismo!

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
AutorMensagem
Ronaldo
Administrador
Administrador


Mensagens : 261
Data de inscrição : 13/04/2008

MensagemAssunto: Behe liquida o darwinismo!   26/6/2008, 6:28 pm

No seu livro de 2007, da Free Press, Behe lança mão de dados quantitativos para derrubar a mutação randômica e a seleção natural como mecanismos evolutivos (pois ele acredita que a evolução tenha ID). ele dá exemplo da limitação da atuação da mutação randômica e da seleção natural (cito três)

Primeiro argumento:

O Plasmodium falciparum, em contato com a cloroquina, demorou cinqüenta anos para conseguir resistência, com a formação de duas mutações, para um total de 100 000 000 000 000 000 000 indivíduos. Não houve modificação substancial do Plasmodium, após a formação de tamanha população, na sua resistência a cloroquina.

Segundo argumento:

As bactérias cultivadas em laboratório, após bihões de bilhões de indivíduos sofrendo alterações ambientais produzidas por cientistas não apresentaram modificação substancial no seu genótipo... A resistência antimicrobiana foi uma pequena modificação.

Terceiro argumento:

O vírus HIV que formou bilhões de bilhões de indivíduos ao lutar contra o ser humano e sofre uma taxa de mutação 10 000 vezes maior do que o Plasmodium não apresentou modificação substancial no seu fenótipo quando apresentou resistência aos anti-retrovirais... 4 abr excluir docdeoz
Behe argumenta que ao cessar o uso da cloroquina, as mutações não se sustentaram na natureza.

Minha experiência clínica indica que em uroculturas muitas Escherichia coli são sensíveis (são mortas) por TODOS os antibióticos, sendo praticamente impossível que um ser humano NUNCA tenha usado antibiótico-OU SEJA, A RESISTÊNCIA ANTIMICROBIANA NÃO SE SUSTENTA NA NATUREZA

A conclusão é a de que a seleção natural e a mutação não podem ser os mecanismos evolutivos conforme evidenciado pela ancestralidade comum, que BEHE aceita.

Fica a questão bacteriana(de novo):
Se um ser que já produziu 10 000 000 000 000 000 000 000 000 000 000 000 000 000 de indivíduos nos supostos últimos 4 000 000 000 de anos NÃO MUDOU NADA, POR QUE O SER HUMANO MUDARIA EM 1 000 000 DE ANOS?

Conclusão:
Com certeza a mutação randômica e a seleção natural explicam a mudança da cor na asa da mariposa, mas não como a mariposa se tornou mariposa...

(HNT) ויאמר אלי אחד מן־הזקנים אל־תבכה הנה נצח האריה אשר הוא משבט Rev 5:5
http://www.rv.cnt.br/viewtopic.php?t=13986
http://rv.cnt.br/viewtopic.php?t=14653

Sensibilidade bacteriana aos antibióticos...
Continuando a argumentação:

http://www.orkut.com/CommMsgs.aspx?cmm=40216120&tid=2590485966796886770&start=1

Demonstro a dificuldade em estabelecer o dado- resistência aos antimicrobianos como evidência de evolução, uso uma experiência clínica quase diária - a urocultura com teste para tratamento das infecções urinárias.

A urina é coletada por diversos métodos em pacientes com queixas, uma amostra da urina é depositada na placa de Petri para o devido cultivo do germe suspeito. Na placa são acrescidos pequenos discos contendo antibióticos que simulam in vitro a Concentração Inibitória Mínima que atingirá no sangue do paciente o antibiótico a ser administrado pelo médico- geralmente com sensibilidade (S) ao antibiótico...

Tenho encontrado bactérias reistentes a todos os antibióticos (raramente comunitária) mas as consideradas comunitárias ( do povo em geral) são sensíveis em geral aos antibióticos...

continua... 24 abr excluir docdeoz
A contagem de colônias acima de 100.000 na urina bem coletada é considerada infecção. Entre 10.000 a 100.000 duvidosa. Na pução suprapúbica, geralmente usada em lactentes, qualquer valor é considerado infecção. a urina normal tem ZERO bactérias no cultivo.

http://docdeoz.multiply.com/photos/hi-res/23/1?xurl=http%3A%2F%2Fdocdeoz.multiply.com%2Fphotos%2Falbum%2F23%231

http://docdeoz.multiply.com/photos/hi-res/23/2?xurl=http%3A%2F%2Fdocdeoz.multiply.com%2Fphotos%2Falbum%2F23%232

http://docdeoz.multiply.com/photos/hi-res/23/3?xurl=http%3A%2F%2Fdocdeoz.multiply.com%2Fphotos%2Falbum%2F23%233

http://docdeoz.multiply.com/photos/hi-res/23/4?xurl=http%3A%2F%2Fdocdeoz.multiply.com%2Fphotos%2Falbum%2F23%234

Tenho uma paciente colonizada pelo Acinetobacter resistente a TODOS OS ANTIBÓTICOS e que está em SEU DOMICÍLIO! (colonizada=não tem a doença!)

Está bactéria ataca pacientes muito graves internados em hospitais e tem desfechado alguns óbitos nesses pacientes!

Não transmitirá à COMUNIDADE? NÃO! As pessoas devem ter o cuidado apropriado e em alguns meses a tendência é que esta colonização DESAPAREÇA TOTALMENTE!
Comprovando o que eu disse sobre a tendência de a resistência voltar à condição pré-antibiótica de sensibilidade!

http://www.agih.com.br/eventos/manual_acinetobacter.pdf

Pela décima vez, Behe nesse argumento que usou no Edge of Evolution, sobre a falha do Darwinismo em explicar a formação de organismos complexos, usando como exemplo a MALÁRIA, está CORRETO!

Em tempo: não é por isso que vou testar meu ponto de vista colocando em risco as pessoas ao meu redor. Seguirei as normas regulamentadoras de minha profissão, pois nunca se sabe quando alguém pode sofrer um acidente e estar numa UTI. Se for colonizado, dará chance para a tuação dessa bactéria!
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
 
Behe liquida o darwinismo!
Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
Página 1 de 1
 Tópicos similares
-
» Mistura Liquida
» Fósseis do Cambriano: um dilema para o darwinismo
» [AFA] Termologia
» Massa de gelo na mistura... ?
» Em condições adequadas, a água vaporiza-se, passando do estado líquido para vapor. Considerando o processo de vaporização da água, nas condições fornecidas: ...

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
Fórum Adventista :: Teologia :: Acervo Teológico Adventista :: Textos-
Ir para: